III Seminário Sul Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária homenageia Carlos Gusso por projeto que incentivou plantio de 15 milhões de mudas do pinheiro

Carlos Antonio Gusso, fundador do Grupo Risotolândia, criou projeto social em parceria com a Secretaria de Justiça do Paraná para o reflorestamento de Araucárias

49d29b51-1bde-4308-a7f5-2d1798ba7ad3.JPG


 O gênero Araucária, segundo reportagem publicada pela Época, faz parte do grupo das gimnospermas, as primeiras plantas que conquistaram o ambiente terrestre há mais de 300 milhões de anos. No mundo inteiro existem mais de 19 espécies e, entre elas, está a Araucaria Angustifolia, também conhecida como Pinheiro do Paraná ou Araucária. Em processo decisivo de extinção, segundo o professor da UFPR Flávio Zanette, o pinheiro ganhou espaço nos debates nacionais de sustentabilidade e virou tema principal de um Seminário que começou dia 23 e segue até dia 25 de maio em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul.
 
Promovido por instituições de ensino superior - UPF, UFSM, UDESC, UFSC, UFPR e Embrapa Florestas - o III Seminário Sul Brasileiro sobre a Sustentabilidade da Araucária está debatendo diferentes temas, entre eles as cadeias produtivas da Araucária, conservação e biodiversidade, inovação, uso sustentável, educação, legislação e políticas públicas, além de homenagear personalidades que incentivaram o plantio da árvore.
 
No dia 23, o empresário homenageado foi o paranaense Carlos Antonio Gusso, fundador do Grupo Risotolândia. A empresa, especializada em refeições coletivas, firmou uma parceria com a Secretaria de Justiça do Paraná e lançou o projeto Gralha Azul. As atividades iniciaram em 2005 e encerraram em 2015, após cumprir seu objetivo: plantar 15 milhões de mudas do Pinheiro Araucária num período de 10 anos. Além de contribuir com a preservação do meio ambiente e incentivar a sustentabilidade, o projeto também ressocializou detentos da Colônia Penal Agroindustrial do Paraná na sociedade por meio do trabalho, afinal de contas, a cada três dias de atividades, um dia da pena era reduzido. Cada detento que participava do projeto recebia 75% do salário mínimo nacional.
 
“As mudas do pinheiro eram doadas por órgãos públicos, entidades filantrópicas e também pela própria comunidade e, depois de prontas, eram distribuídas por profissionais da UFPR, outra parceira do nosso projeto. Os interessados em ações de reflorestamento compravam as mudas por um valor simbólico de R$ 1 e esse valor era revertido ao Hospital de Clínicas de Curitiba”, explica Carlos Antonio Gusso.
 
Em outra oportunidade, o projeto também angariou R$ 18 mil ao Hospital Bom Jesus, na cidade de Rio Negro (PR). A ação foi proveniente de um convênio firmado entre a Auto Pista Planalto Sul e Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) para a compensação ambiental de obras executadas naquela rodovia.
 
Com essa visão sustentável e grande apelo social, o Gralha Azul também recebeu importantes prêmios, entre eles o renomado Chico Mendes, que revela ao país exemplos de solução entre desenvolvimento, justiça social e equilíbrio ambiental

Concurso incentiva crianças a refletir sobre a importância da alimentação saudável para alcançar seus objetivos

Sob o tema “Qual é a minha receita para o sucesso?” os alunos das escolas atendidas pela Risotolândia em Blumenau (SC) criaram anúncios publicitários e concorreram a tablets

“Qual é a minha receita para o sucesso?” Foi respondendo a esta pergunta que alunos das escolas atendidas pela Risotolândia Serviços Inteligentes de Alimentação em Blumenau, Santa Catarina, participaram de um divertido, saudável e concorrido concurso sobre alimentação saudável.

A empresa, líder em refeições coletivas no Sul do Brasil, propôs que os alunos refletissem sobre a importância da alimentação saudável para alcançar seus objetivos, sejam eles quais forem. “Para participar, eles tiveram que criar uma frase e um desenho sobre eles mesmos, falando sobre seus desejos e formas de chegar até eles através da alimentação”, explica Larissa Schlupp, nutricionista responsável pelo projeto. 

Sou criança e me inspiro muito em ser jornalista, quando eu crescer quero ser uma grande jornalista. Para exercer essa profissão é necessário se alimentar com frutas ricas em Vitamina C, como: laranja, limão, acerola, abacaxi, entre outras, pois o profissional desta área fica exposto à diferentes tipos de clima.

EBM Profª Hella Altemburg
Andrielly U. Camargo
6° ano - 11 anos
 

 

A Risotolândia fez uma pré seleção e escolheu, em cada escola que fornece alimentação, um representante para participar do concurso, que teve alguns critérios: criatividade, coerência com o tema proposto e conteúdo da mensagem transmitida pelo anúncio. Do total de participantes, foram escolhidos 12 alunos vencedores para formar o calendário de 2018, que virá estampado com os desenhos e frases de cada aluno. 

Quando eu crescer quero ser um mestre confeiteiro de nome internacional, vou preparar sucos gostosos e saudáveis. Mas para isso devo me alimentar bem e praticar esportes, pois sem isso não conseguirei fazer nada.

EIM Doutor Blumenau
Matheus H. Gieseler
5° ano - 10 anos
 

DSCN1200.JPG

Além disso, a empresa também presenteou os ganhadores com um tablet, no último dia 13 de dezembro, e ainda ofereceu um almoço especial para todos os alunos das escolas vencedoras. O concurso também estimulou o aprendizado através do lúdico, incluindo atividades paralelas ao projeto no dia a dia dos alunos e levando nutricionistas especializadas em nutrição infantil para uma conversa com os pequenos. “Utilizamos pirâmides alimentares para que as crianças pudessem interagir e colocar os alimentos de acordo com seu valor nutricional. Tudo isso vai de encontro com a maior preocupação da empresa: alimentar bem, com saúde e segurança, e despertar desde cedo hábitos alimentares saudáveis nessa garotada”, finaliza a nutricionista da Risotolândia.

O Grupo Risotolândia tem 4.7 mil colaboradores e produz, todos os dias, 550 mil refeições que vão para consumidores no PR, SC, RJ, RS, SP e MG.
 

Carlos Antonio Gusso recebe importante premiação

O fundador e Presidente de Honra do Grupo Risotolândia foi homenageado com o “Personalita Affari”

Nesta quinta-feira (23/11) a Italocam – Câmera Ítalo-Brasileira de Comércio e Indústria do Paraná, concedeu uma importante premiação ao empresário Carlos Antonio Gusso, fundador e Presidente de Honra do Grupo Risotolândia. 

Responsável pela criação do maior grupo de refeições coletivas do Sul do Brasil - que hoje tem 4.7 mil colaboradores e produz diariamente mais de 550 mil refeições – Carlos recebeu o “Personalita Affari”, no Mérito Empresarial. 

De acordo com a Italocam, o objetivo da premiação é valorizar as pessoas que mais se destacaram por meio de ações que fortalecem e desenvolvem a relação entre o estado do Paraná, Brasil e Itália. 

Esta foi a quinta edição do prêmio e o jantar festivo foi realizado no Palácio Garibaldi, no coração do centro histórico de Curitiba.
 

Risotolândia: de um pequeno restaurante ao maior Grupo de Refeições Coletivas do Sul do Brasil

E quem diria que um pequeno restaurante conhecido por seu delicioso risoto com frango caipira, espalharia seu tempero pelo sul do país em mais de 550 mil refeições servidas diariamente? Esta é apenas uma síntese dos mais de 64 anos de história do Grupo Risotolândia, o maior do segmento de refeições coletivas da Região Sul, e quarto maior do Brasil.  O restaurante iniciou em 1953, mas foi na década de 1970 que Carlos Antônio Gusso assumiu
o negócio da família, no bairro do Xaxim, em Curitiba (PR), e encaminhou a transição da empresa para o setor de refeições coletivas. Hoje são 4.7 mil funcionários, 12.5 mil m² de sede construída e um faturamento médio de R$ 330 milhões anual. 

Na época, a capital se expandia e o crescimento industrial fez surgir a necessidade das empresas oferecerem alimentação em suas próprias sedes, já que agora, o perfil de trabalho tornava inviável o hábito de almoçar em casa. E foi na Região Metropolitana de Curitiba que, em 1980, a Risotolândia - acompanhando as mudanças da economia - construiu sua primeira unidade em Araucária. O risoto deu lugar ao brasileiríssimo arroz com feijão! O sucesso foi tanto que em dois anos a produção saltou de 400 para 3 mil refeições diárias, avanço que contribuiu para a profissionalização da empresa que em 1986 já alcançava 17 mil pratos entregues diariamente.

Desde então, o que move o Grupo Risotolândia é o prazer de oferecer uma alimentação saudável e rica em sabor, contribuindo diretamente na qualidade de vida e no futuro de quem consome suas receitas. Falando em futuro, foi pensando nele que a empresa passou a desvendar novos mercados, entrando no sistema público a partir do fornecimento de refeições escolares. O Grupo divide-se em duas empresas: a Risotolândia Serviços Inteligentes de Alimentação e a Risotolândia Restaurantes Corporativos. A primeira atende obras públicas de grande porte, merenda escolar, sistema carcerário e hospitais públicos. Já no mercado privado, a empresa atende restaurantes corporativos. Hoje, já são mais de 100 indústrias atendidas com a montagem e administração de um restaurante dentro de suas plantas. Além disso, o Grupo também tem a marca It’s Cool, com restaurantes administrados em escolas particulares, com atendimento 100% personalizado. 


Este modelo de negócio no segmento privado, segundo o Grupo, permite uma maior exploração do ambiente, com lanchonete e oferta de opções adicionais de alimentos, garantindo um incremento na arrecadação financeira. Nessa operação, a companhia prevê promissoras perspectivas de crescimento. “É um segmento onde temos muito para crescer ainda, pois 95% dos restaurantes empresariais são terceirizados”, enfatiza Carlos Humberto de Souza, diretor-presidente da Risotolândia.  O Grupo está presente em seis estados brasileiros – Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo – e sua expansão é firmada em sua sólida reputação de qualidade e inovação. “Para continuarmos ativos como estamos, temos que continuar crescendo dentro do cliente com a criação de novos serviços ou disputando novos segmentos”, finaliza Souza.

A qualidade como tempero 

A confiança que o nome Risotolândia inspira está diretamente ligada à cultura da empresa que desde o modesto restaurante, preza pelo cuidado e atenção na manutenção de um cardápio variado, no preparo artesanal das refeições e, principalmente, no pronto atendimento ao cliente. “Temos uma missão de estar próximos dos nossos clientes e construir um relacionamento aprofundado até ele atingir 100% de satisfação. Por isso, nosso compromisso é estar disponível 365 dias por ano”, explica Souza. Quando se fala em saúde nas refeições, a Risotolândia mostra mais uma vez todo seu preparo. Todos os cardápios são elaborados e discutidos por um time de nutricionistas, garantindo os critérios nutricionais adequados e o balanceamento ideal para todas as fases da vida. Isso porque o foco da companhia está em vender boa alimentação como sinônimo
de prevenção para doenças e de boa saúde.

Preparada para atender desde a fase de pós-aleitamento materno até o final da vida – seja em escolas, hospitais ou em lares para a terceira idade – a Risotolândia investe e preocupa-se com a qualidade dos alimentos servidos. Isso significa não adicionar conservantes e nem industrializar o preparo. Preservando as propriedades naturais dos alimentos e assim, beneficiando a saúde das pessoas.  Outro cuidado especial está na oferta de dietas especiais às pessoas com restrições e patologias alimentares, além do acompanhamento pessoal aos casos de hipertensão, obesidade e outras disfunções por meio de um programa de saúde alimentar chamado Viva Melhor, no qual os consumidores das empresas clientes recebem palestras e atendimentos individualizados para conscientização e esclarecimento a respeito da saúde alimentar. Já nas escolas, o trabalho de orientação nutricional começa na horta com a participação das crianças na plantação, pelo projeto Caminho da Roça, e termina juntamente com as Associações de Pais e Mestres discutindo qual a melhor forma de conduzir a alimentação infantil das mais de 450 mil crianças e adolescentes atendidas diariamente.

Compromisso social 

Desde 2008 o Grupo Risotolândia, especializado em refeições coletivas, emprega uma mão de obra pouco valorizada no Brasil: a presidiária. O projeto Liberdade Construída - realizado em parceria com a Secretária da Justiça e Cidadania e também com o Departamento Penitenciário Nacional (SEJU/DEPEN) - tem como objetivo diminuir o contato dos presos com o crime, melhorar seu comportamento dentro da penitenciária, além de promover a ressocialização, preparando-os para retornar ao mercado de trabalho. Carlos Humberto explica que para os detentos essa é uma oportunidade de se capacitar e estar cada vez mais perto da vida em liberdade. “Se não oferecer oportunidade a pessoa pode voltar ao mundo do crime. Aqui, eles têm o aprendizado de um novo ofício, são úteis para o sistema e estão preparando sua reinserção na sociedade”, avalia. Os funcionários precisam estar em regime semiaberto e passam o dia na sede central da empresa trabalhando e à noite retornam ao presídio. Dessa forma, a cada três dias trabalhados eles têm um dia da sua pena reduzida, além da remuneração de 75% do salário mínimo nacional. Desde o começo da iniciativa, mais de, mais de 3,5 mil apenados do regime semiaberto participaram do programa. Desse total, mais de 40 foram contratados após o cumprimento da pena e, para os que desejam seguir em outra área, a empresa emite uma carta de boa conduta como referência. “É uma iniciativa que nos orgulha e nos motiva a continuar cada vez mais fortes com este projeto, ainda mais quando vemos a gravidade da crise que as penitenciárias brasileiras estão vivendo com tantas rebeliões. O trabalho ocupa os detentos e traz novas perspectivas de vida para eles e suas famílias”, complementa Souza.

O Liberdade Construída conquista ano a ano destaques de
reconhecimento social. O mais recente foi o Prêmio Ser Humano da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH). A iniciativa soma-se a outras ações desenvolvidas pela empresa em parceria com o sistema penal, como a construção e manutenção de hortas nas penitenciárias, e o projeto Gralha Azul, que consistiu no plantio de pinheiros. O projeto foi encerrado com milhares de mudas de araucárias plantadas, cumprindo seu objetivo. Esse espírito social, cultivado desde os primórdios da empresa, segue com a Risotolândia e ajuda a escrever o futuro da companhia.
 

Alunos de Araucária têm cuidados especiais na merenda: aqueles com doenças alimentares, contam com cardápios exclusivos diariamente

Dos 8.231 alunos da rede municipal de Araucária atendidos pelo Grupo Risotolândia, 47 precisam de alimentação especial todos os dias. Buscando o desenvolvimento saudável de todas as crianças, em especial as com restrições alimentares, a empresa – a maior do setor de refeições coletivas do sul do Brasil - desenvolveu uma cozinha especial para atender as necessidades alimentares destes alunos. O diferencial é que nesta cozinha não são utilizados os mesmos equipamentos ou ingredientes nas merendas comuns, garantindo total segurança dos alimentos aos alunos com particularidades nas refeições. 

Para quem não sabe, a intolerância alimentar ocorre quando o corpo tem dificuldades para digerir alguma substância presente nos alimentos. A repetição de sintomas como náuseas, dificuldades respiratórias, alergias e problemas digestivos podem ser sinais de intolerância, particularidade que pode  interferir negativamente no desenvolvimento das crianças. “Algumas delas são extremamente graves e pequenos traços de alergênicos podem comprometer seriamente a saúde. Para quem sofre de doença celíaca, por exemplo, qualquer resquício de farinha no ar pode ser prejudicial”, explica Emily Reda, nutricionista responsável pelo setor de dietas da Risotolândia. 

Das dietas especiais oferecidas pela Risotolândia, grande maioria vai para crianças intolerantes à lactose. “Cada pessoa tem um nível de tolerância oral à lactose, isto é, o quanto uma pessoa tolera de lactose é diferente do quanto outra tolera. Existem intolerantes que comem queijo, outros não conseguem. A melhor forma de identificar a intolerância é através de um médico e por meio de exames laboratoriais”, indica a nutricionista. 

Cardápios diferenciados para os alunos

Atualmente são 10 cardápios diferentes, focados nas especificidades de cada restrição. Emily Reda explica que a dieta mais delicada produzida na cidade é para crianças que tem LES (Lupus Eritematoso Sistêmico), uma doença autoimune que atinge, principalmente, os rins da criança. “Uma alimentação com moderado teor energético e proteico, mas rica em vitaminas, minerais e ácidos graxos, pode auxiliar no controle do quadro inflamatório da doença e das complicações dos medicamentos”, explica a nutricionista.

Mais do que auxiliar na manutenção da saúde dos alunos, a Risotolândia se preocupa em fazer um cardápio semelhante ao das outras crianças, para que não haja nenhum tipo de diferença entre elas, estimulando a valorização da diversidade e o respeito ao próximo. “Na infância temos as nossas primeiras descobertas alimentares e a restrição, muitas vezes, faz com que as crianças tenham medo. O que fazemos, através das dietas especiais, é auxiliar as crianças a redescobrirem o prazer de se alimentar de uma forma saudável e nutritiva junto aos seus colegas”, completa Reda. 

Como funciona? 
Os pais, ao matricularem seus filhos que tem alguma patologia nas escolas, passam por um médico que emite um laudo sobre a doença dos pequenos. O laudo é encaminhado à nutricionista da Secretaria Municipal de Saúde da cidade que, em conjunto com o time de nutrição da Risotolândia, elabora um cardápio especial para aquela criança.  “Isso é resultado da ação conjunta de pais, professores, escolas e médicos. Gostamos de pensar que não fornecemos apenas alimentação, mas sim saúde e qualidade de vida: fatores essenciais para o rendimento escolar e o bom desenvolvimento infantil”, finaliza a nutricionista. 
 

Estudantes celíacos de Curitiba recebem merenda diferenciada

A Risotolândia, uma das empresas responsáveis pela alimentação dos alunos da rede pública, tem uma cozinha isolada para preparar as refeições de alunos com restrições alimentares 

A cada 600 brasileiros, um é portador da doença celíaca. Os dados são da Acelbra - Associação de Celíacos do Brasil. A doença é uma reação imunológica ao glúten que causa inflamações graves no intestino, podendo levar à desnutrição por má absorção de nutrientes. Ela é incurável e seu único tratamento é eliminar o glúten da dieta. Este é um ingrediente encontrado principalmente na cevada, trigo, aveia e centeio, alimentos que fazem parte da dieta básica diária da maioria dos brasileiros e que são encontrados em abundância nas refeições consumidas fora de casa, como nos fast foods, por exemplo.

E, se para um adulto que entende suas restrições alimentares, já é difícil encontrar opções que não comprometam sua saúde, às crianças esta tarefa fica ainda mais difícil. Priorizando sempre a segurança alimentar, a Risotolândia Serviços Inteligentes de Alimentação – empresa líder no segmento de refeições coletivas no Sul do Brasil – atende diariamente 450 mil crianças no PR e em SC, com cardápios que seguem os critérios do PNAE – Programação Nacional de Alimentação Escolar. Em Curitiba, a empresa realiza todos os dias mais de 145 mil atendimentos e, cerca de 830 deles, são feitos para crianças que precisam de alimentação diferenciada. Estas refeições são produzidas diariamente numa cozinha e, segundo a empresa, são mais de 315 cardápios diferenciados apenas para os alunos curitibanos. 

Elaborados pelas nutricionistas da Secretaria de Educação de Curitiba, em parceria com a equipe técnica da Risotolândia, estes cardápios especiais atendem alunos intolerantes à lactose, alérgicos à proteína do leite de vaca, diabéticos e muitas outras patologias. Todas as dietas seguem orientações médicas, que devem ser enviadas pelos pais e registradas pela Secretaria de Educação da cidade. “O mais interessante é que estas dietas são muito semelhantes às dos demais alunos. Na maioria das vezes, servimos a mesma receita, mas com ingredientes alternativos, evitando que as crianças se sintam deslocadas”, explica Emily Reda, nutricionista responsável pelo planejamento de dietas da Risotolândia. 

Glúten: o vilão

O glúten é uma substância altamente contaminante, o que torna as opções de alimentos mais restritas e o cuidado ainda mais fundamental em todo o processo. Por isso, as crianças portadoras da doença celíaca recebem ainda mais cuidado na preparação. Suas dietas são feitas na cozinha de Dietas Severas, um braço da Cozinha Especial. “Todos os alimentos destinados às dietas celíacas são cuidadosamente selecionados, os fornecedores são visitados e auditados por nosso setor de qualidade, para garantirmos a procedência dos ingredientes, afinal, um grama de farinha no ar pode ser altamente prejudicial”, alerta Thais Felix, nutricionista responsável pela produção das dietas. 

Buscando fornecer mais que apenas alimentação, mas sim saúde e qualidade de vida, a empresa preza pela qualidade da equipe técnica responsável pela preparação destes alimentos. “Além de termos uma funcionária exclusiva para as dietas severas há 25 anos, realizamos constantes treinamentos com a equipe geral, para que todos sejam muito bem capacitados e orientados quanto à importância da dieta para uma criança celíaca, focando na importância da separação de ambiente, utensílios e produtos”, destaca Thais. Através desses cuidados, as crianças podem levar uma vida adaptada e muito saudável, o que contribui diretamente no bom rendimento escolar e desenvolvimento infantil.

Como diagnosticar?

Para quem sofre da doença, o menor contato com o glúten pode levar a sérios sintomas gastrointestinais como irritabilidade, diarreia crônica, vômitos, dor abdominal, constipação crônica, entre outros. O diagnóstico é feito em duas etapas: primeiro, exames de sangue podem detectar a presença dos genes HLA-DQ2 e do HLA-DQ8, que indicam a presença da doença autoimune, além de anticorpos contra as proteínas do glúten. Para confirmar a suspeita, o médico pode pedir uma biópsia do tecido, checando se há danos nas vilosidades intestinais.
 

Projeto de incentivo à leitura leva contação de histórias às escolas municipais

O projeto “Alimentando a Imaginação” foi criado pelo Grupo Risotolândia em 2016 e tem como objetivo estimular a leitura e o interesse cultural nos alunos das escolas atendidas pelo grupo em Curitiba, Araucária e São José dos Pinhais. A Risotolândia é a maior empresa especializada em refeições coletivas do Paraná e agora além de fornecer alimentos também apoia a busca por uma educação de qualidade. A ideia surgiu de uma parceria com o SESI e hoje é desenvolvida pela empresa através da Interstício Cultural, produtora que leva atores para contar histórias 4 horas por dia em dois dias da semana para alunos da rede municipal de ensino.
Neste ano as atividades iniciaram junto ao ano letivo e a melhora na aprendizagem já é notada pelos diretores, “Levamos contação de histórias, rodas de leitura e outras ações literárias para as escolas atendidas por nós, com o objetivo de incentivar o hábito da leitura nas crianças”, explica Paola Orlowski, coordenadora de comunicação interna da Risotolândia.

Além da infância 

O Grupo Risotolândia reforça a importância social do projeto que, além da contação de histórias, prevê ações que envolvem narrativas sobre culturas diversas, como a indígena e a afro-brasileira, valorizando a cultura como parte importante na formação social do País. 
Além disso, em novembro de 2016, o projeto teve uma ação direcionada para adultos, com participação na Semana Cultural da Educação de Jovens e Adultos promovida pela CEI Bela Vista do Paraíso, em Curitiba. Alunos prestes a concluir o ensino fundamental e médio, incluindo idosos, ouviram as contações de histórias promovidas pelo mediador Lucas Buchile, em uma ação muito divertida e gratificante. Lucas ressalta a importância de levar o projeto no contraturno escolar das comunidades carentes: “Esta foi uma ação ainda mais especial, tendo em vista que muitos desses alunos vivem sob vulnerabilidade social”, ressaltou. 
A Risotolândia pretende expandir cada vez mais o projeto, incentivando o hábito da leitura e formação cultural para o maior número de alunos possível, já que a receptividade dos alunos e a interação com as histórias dos livros tem sido muito positiva.
 

Ano letivo 2017: alguns motivos que você deve se preocupar para escolher a escola do seu filho


Com a aproximação do final de ano muitas escolas já estão se preparando para abrir as matrículas para 2017. Cabe aos pais a difícil missão de escolher uma instituição de qualidade e referência para seus filhos. Tanto para escolas públicas como para as particulares, a dica dos especialistas é que os pais fiquem sempre de olho nos serviços oferecidos, não só no que diz respeito à educação, mas também segurança, atividades extras e alimentação, por exemplo.

Aliás, nunca se falou tanto na relação entre educação e alimentação como nos tempos de hoje. Embora muitos não saibam, uma alimentação de qualidade, sempre saudável e balanceada é fundamental não só para a saúde, mas principalmente para o desenvolvimento das crianças. “Uma criança bem alimentada rende mais em sala de aula. O equilíbrio entre os alimentos estimula o raciocínio, evita o déficit de atenção e promove uma rotina mais favorável aos estudos”, diz Emanuelle Sekitani, nutricionista e coordenadora de atendimento do Grupo Risotolândia, empresa paranaense responsável pela alimentação de mais de 450 mil crianças todos os dias.

Além das escolas públicas de Curitiba, Araucária e São José dos Pinhais, no Paraná, a marca Risotolândia Serviços Inteligentes de Alimentação também atende escolas estaduais de Santa Catarina, além de unidades da cidade de Blumenau. Todas as refeições produzidas pela empresa - são mais de 550 mil todos os dias - são supervisionadas por nutricionistas e têm rigorosas certificações e qualidade e segurança. “Em alguns casos as refeições são produzidas na central da nossa empresa e transportadas até as escolas. Em outras situações, temos cozinha nas escolas e tudo é preparado diretamente na unidade. Independente do modelo, seguimos o mesmo padrão de qualidade nos nossos cardápios, sempre focando na saúde dos estudantes”, comenta Emanuelle. 

Outro diferencial de peso para que os pais fiquem de olho são os projetos de educação nutricional ofertados pelas escolas. “Eles são muito importantes, pois geralmente as crianças preferem comer um biscoito do que comer alface. Mas se eles entenderem os benefícios do alface para nosso organismo, passam a consumir de forma natural e com mais frequência”, explica a nutricionista. 

Além disso, nunca é demais visitar as escolas e ver de perto como funcionam estes diferenciais que certamente fazem a diferença na vida da garotada.